Entrevista de emprego: Como se dar bem em dinâmicas de grupo | Suzi Santos

7 dicas de como demonstrar potencial em dinâmicas de grupo

Alguns candidatos  ficam tenso na hora de participar de uma dinâmica de grupo em seleções de emprego, segue abaixo sete dicas que podem ajudar você a demonstrar seu real potencial nesta fase da seleção.

1 – Não assuma um personagem
Essa é a regra número um de quem quer se destacar entre os concorrentes. Cada dinâmica de grupo tem propósitos bem definidos. Enquanto uma pode estar em busca de candidatos extrovertidos com alto potencial de liderança, outra pode focar profissionais com perfil mais analítico e organizado. Se você fizer o papel do organizado e proativo e a empresa não estiver buscando isso, vai eliminar suas chances à toa. Ou seja, como você não sabe exatamente o que a empresa busca, o mais confiável é você ser do jeito que é, sem máscaras.

2 – Participe das atividades
Uma dinâmica de grupo dura, em média, de duas a três horas. É esse o intervalo que o recrutador tem para avaliar todos os candidatos e o instrumento que ele usa para essa avaliação são as atividades propostas. Por isso, se você entrar mudo e sair calado, ninguém terá como adivinhar suas qualidades. Aproveite o tempo para se mostrar, contar quem você é, trazer informações relevantes. É isso o que podemos avaliar nessa etapa. Portanto, mesmo que você seja tímido, tente se esforçar para demonstrar seu potencial. Beleza, apenas, não conta nessa hora.

3 – Não exagere a dose na dinâmica de grupo
É preciso ressaltar que a participação nas atividades deve ser feita com bom senso, sem exageros. Por favor, não queira ser aquele que fala o tempo todo e quer aparecer mais do que todos, pois isso vai acabar mesmo é irritando o recrutador. Não custa lembrar, é mito que quem fala mais e mais alto sempre leva a melhor nessa etapa.

4 – Estude a empresa
Antes de se candidatar a uma vaga, estude a empresa em questão. Saiba o que ela faz, a que segmento pertence, qual sua cultura etc. Depois, pense que tipo de profissional essa empresa deve estar buscando. Um banco costuma ter estrutura mais engessada, que permite pouca inovação. Portanto, recomendo, quem gosta de inovar pode focar mais em empresas de bens de consumo, por exemplo. Pensar nessas informações sobre a empresa pode ajudar na hora da dinâmica porque você vai ter mais ou menos ideia do que o recrutador está buscando e do que precisa demonstrar para ele.

5 – Conheça seus pontos fortes e fracos
Quanto mais a pessoa se conhece, mais domínio ela tem da situação. Por isso, sugiro que, antes de uma dinâmica de grupo, você reflita sobre si mesmo.

Faça uma retrospectiva, analise quais são o seus valores e pontos fortes.Os aspectos que ainda precisam ser desenvolvidos também precisam estar claros na mente de quem está prestes a participar de uma dinâmica.

Aos candidatos a estágio ou a trainee, as habilidades comportamentais ficam ainda mais em destaque,nesses casos, é pura competência pessoal. Para as funções que exigem mais experiência o processo é composto pela junção entre a avaliação das competências pessoais e profissionais.

6 – Cuidado com a sua postura e com a maneira de se vestir
Ficar se mexendo na cadeira e fazer gestos bruscos  não são recomendados. É preciso ter cuidado com a postura na hora de se sentar. O dress code também é um ponto em destaque ,o jeito de se vestir mostra um pouco da personalidade. Por isso, prefira apresentar-se de forma mais alinhada e sem exageros.

7 – Não desista
Não é porque você não foi selecionado em uma dinâmica de grupo que sua vida profissional é um fracasso. Isso pode acontecer basicamente por dois motivos. O mais comum é que você não tenha as competências específicas que eram buscadas para a vaga em questão. Você certamente tem outras que serão valorizadas por outras empresas ou simplesmente em outros cargos.Outro motivo é que todo mundo tem dias ruins. Talvez você fosse, de fato, o candidato mais apropriado para aquela função, mas, por qualquer motivo, não conseguiu demonstrar isso durante as duas ou três horas em que participou das atividades. Há vários casos de candidatos reprovados uma ou duas vezes que, na terceira, conseguem se sair muito bem.


Suzi Santos:
 Graduada em psicologia e recursos humanos, pós graduada em gestão de pessoas(IPOG), Practitioner em programação neurolinguística. Atua a sete anos na área de recursos humanos, desenvolvendo talentos e treinando competências.
Facebook – Twitter – Instagram – Linkedin